Notícias

Doença renal crônica pode surgir com o passar dos anos

As causas estão quase sempre associadas a outros problemas de saúde, como diabetes e hipertensão

Publicado em 31 de janeiro de 2019
Atualizado em 31 de janeiro de 2019

Segundo projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2025 a população acima de 60 anos ultrapassará os 36 milhões pessoas no País. E com o avanço da idade, a taxa de filtração glomerular estimada, que indica se existe alguma lesão nos rins, tende a diminuir, dando sinal da doença renal crônica. Ela acontece quando os rins perdem sua função de filtrar o sangue e eliminar os resíduos tóxicos por meio da urina.

Em estágio avançado, essa condição aumenta as chances de insuficiência renal, infarto e acidente vascular encefálico (AVE), também conhecido como derrame, em idosos. “O paciente deve procurar um nefrologista para fazer a escolha do melhor tratamento o que garantirá que a progressão da doença renal crônica seja retardada, que os riscos correlacionados a ela sejam reduzidos e que o paciente tenha mais qualidade de vida”, explica Anita Leme da Rocha Saldanha, uma das chefes de equipe da Nefrologia da BP.

Um dos fatores que contribuem para a diminuição do funcionamento dos rins está relacionado a doenças comuns nessa faixa etária como diabetes e hipertensão. Isso porque quando os rins não funcionam, os vasos sanguíneos passam a ser danificados e, se o indivíduo já tiver um histórico dessas condições, o risco de piorar o quadro renal aumenta.

No caso da pressão alta, alguns vasos sanguíneos podem ser danificados, inclusive os que se encontram nos rins. “Quando esses órgãos são lesionados em decorrência da hipertensão, eles começam a perder progressivamente a capacidade de filtragem do sangue e o organismo passa a reter mais água e sal. Com isso, muitas substâncias tóxicas não chegam a ser eliminadas e acabam acentuando a hipertensão”, explica Irene Noronha, também chefe de equipe da Nefrologia da BP. Quando não controlada, a diabetes também pode comprometer o funcionamento dos rins. “A grande exposição à alta taxa de glicemia no sangue e à pressão alta causada pela diabetes contribuem para o desenvolvimento de doença renal crônica”, complementa a nefrologista.

Por isso, é muito importante tratar dessas doenças para minimizar os danos nos rins. “Nesse sentido, é extremamente importante que o paciente tenha à disposição uma estrutura no formato de polo de saúde, pois ele apresenta infraestrutura completa e cuidado integrado entre as diferentes especialidades médicas, o que garante mais segurança e eficiência no tratamento”, ressalta Dra. Anita.

A melhor forma de prevenção da doença renal crônica é manter uma vida saudável, com uma dieta balanceada e com a prática de atividades físicas, além de fazer um acompanhamento médico regular.

OUTRAS UNIDADES BP: