Câncer Anal

O câncer do canal anal geralmente é curável e apresenta um bom prognóstico. Apesar de ser um tumor raro, sua incidência vem aumentando principalmente pelo crescimento da infecção do vírus HPV.

Entendendo a doença

O câncer anal ocorre no canal e nas bordas externas do ânus.  É uma doença pouco frequente: representa de 1% a 2% de todos os tumores colorretais, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Em geral, tem bom prognóstico e altas taxas de cura.

O surgimento dessas lesões malignas está fortemente relacionado com a infecção pelo HPV (papilomavírus humano, também associado ao câncer de colo de útero) e sua incidência tem aumentado nos últimos anos.


Tipos

A maioria dos cânceres do ânus decorre da transformação anormal das células que revestem a parede do canal anal. São os chamados tumores epiteliais (epidermoides, cloacogênicos, basalóides e de células transicionais), associados ao HPV.

Outros tipos menos frequentes incluem o adenocarcinoma (condição rara, com comportamento semelhante aos tumores do reto), melanoma e sarcoma.

Sintomas

O sinal mais frequente que pode indicar a presença de câncer anal é o sangramento do ânus durante a evacuação, seguido por dor pélvica e sensação de peso e prurido na região anal.

Em até 50% dos pacientes com carcinoma de células escamosas ocorre o condiloma anorretal, uma lesão com aspecto de couve-flor provocada pelo HPV, um vírus sexualmente transmissível.

Diagnóstico

Se você observar um ou mais sintomas que podem estar associados ao câncer anal (veja Sintomas), é recomendável procurar seu médico para realizar um exame proctológico minucioso. Dependendo do quadro, pode ser necessária a realização de uma anuscopia com biópsia. Nesse procedimento, o médico visualiza a mucosa do canal anal direta ou indiretamente e retira uma amostra de tecido para ser analisada em laboratório e confirmar se se trata ou não de uma lesão maligna.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com o estágio da doença. O tumor localizado, ou seja, que não se espalhou para além da área onde surgiu, é altamente curável com o uso de radioterapia, na maioria das vezes associada à quimioterapia. Uma minoria dos casos se beneficiará de tratamento com cirurgia após a radioterapia. 

Pacientes com doença metastática, isto é, quando o câncer se disseminou para outras partes do corpo, são tratados preferencialmente com quimioterapia.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer anal são:

  • Infecção causada pelo HPV 
  • Doenças sexualmente transmissíveis (DST), como condilomatose, Aids, gonorreia, herpes genital e clamídia
  • Prática de sexo anal
  • Tabagismo
  • Fístula anal crônica (ligação anormal entre a superfície do canal anal e o tecido em volta do ânus, com secreção purulenta)
  • Pacientes imunodeprimidos que se submeteram a transplantes de rim ou coração
  • Condições precárias de higiene e irritação crônica do ânus

Prevenção

Como se trata de uma doença fortemente relacionada à infecção pelo HPV, a vacinação contra esse vírus pode contribuir para evitar a maior parte dos cânceres anais. Também é importante usar preservativo durante as relações sexuais, pois ajuda a prevenir infecções e doenças sexualmente transmissíveis. 

Além disso, é recomendável procurar um médico especializado (como um proctologista) de sua confiança caso você observe sintomas que podem estar associados ao câncer anal. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada, maior a chance de cura.

Novidades

Como ocorre com a maioria das doenças raras, o desenvolvimento de novos recursos para o tratamento do câncer anal é mais lento. Não existem novidades relevantes registradas nos últimos anos.

Diferenciais BP

Apesar de se tratar de uma doença pouco frequente, na BP você conta com um grupo de profissionais especializados no diagnóstico e tratamento do câncer anal. São oncologistas clínicos, proctologistas, cirurgiões, radioterapeutas e radiologistas que atuam de maneira integrada, somando seus conhecimentos para assegurar a melhor abordagem terapêutica para cada paciente.

Merece destaque nosso parque radiológico, com os mais avançados recursos tecnológicos atualmente disponíveis no Brasil, capazes de promover tratamentos mais precisos, efetivos e seguros.

Além dos diferenciais humanos e tecnológicos, na BP você encontra dois elementos igualmente importantes no enfrentamento do câncer: acolhimento e humanização.