Câncer de Pele

Entendendo o câncer de pele

No mundo todo, o câncer de pele é o mais comum entre todos os tipos de tumores. No Brasil, são cerca de 180 mil novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). O lado positivo é que mesmo o tipo mais agressivo do câncer de pele, o melanoma, tem boas chances de cura quando diagnosticado nas fases iniciais.

O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal e desordenado das células da pele, o maior órgão do nosso corpo. É o tipo de tumor mais comum em todo o mundo. No Brasil, responde por mais de 30% dos diagnósticos de câncer, com cerca de 180 mil novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Os tumores de pele estão associados a alterações genéticas no DNA das células da pele decorrentes da exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV). O sol, abundante em nosso país, é a principal fonte desses raios.

Existem dois grandes tipos de câncer de pele: os carcinomas (basocelular e espinocelular) e o melanoma.


Tipos de Câncer de pele

Os tipos de câncer de pele mais comuns são: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e o melanoma.

  • Carcinoma basocelular

É uma lesão de crescimento lento, que se origina nas células basais da epiderme, a camada mais superficial da nossa pele. É o tipo de câncer de pele mais frequente, mas também o que tem maior índice de cura. Dificilmente se espalha para outras partes do corpo. É mais comum entre os homens e raramente afeta pessoas de tom de pele mais escuro.

  • Carcinoma espinocelular (ou carcinoma de células escamosas)

É o segundo tipo mais comum de câncer de pele, associado às células epiteliais (ou células escamosas). É mais agressivo quando comparado ao carcinoma basocelular, uma vez que pode gerar metástases, atingindo outros órgãos. Afeta pessoas independentemente do tom de pele e é mais frequente nos homens.

  • Melanoma

É o menos incidente (menos de 5% dos casos), mas é considerado o tipo mais grave, devido à alta possibilidade de provocar metástases. Ele tem origem nos melanócitos, células produtoras de melanina, a substância que confere a pigmentação da nossa pele. É mais frequente em adultos brancos. Nas pessoas de pele negra, pode afetar áreas claras do corpo, como as palmas das mãos e plantas dos pés.


Sintomas

O câncer de pele surge geralmente nas áreas do corpo que mais recebem radiação solar. Mas, embora seja menos frequente, também pode afetar partes pouco expostas à luz do sol, como as palma das mãos, as partes debaixo das unhas dos pés ou das mãos e até as genitálias.

Os diferentes tipos de câncer de pele apresentam aspectos diferentes.

  • Carcinomas

O carcinoma basocelular normalmente aparece como um nódulo de aspecto grosseiro. O carcinoma espinocelular, além da forma nodular, pode se apresentar como uma ferida de difícil cicatrização. Ambas são lesões persistentes, mesmo que de crescimento lento.

  • Melanoma

O melanoma pode aparecer em qualquer parte do corpo, na pele ou mucosas. Geralmente, esse tumor se desenvolve sobre uma pinta preexistente. As transformações que ele causa funcionam como sinais de alerta. Para observá-los, você pode usar a regra do ABCDE: assimetria, bordas, colaboração, diâmetro e evolução.

Quando ir ao médico

Nem todas as alterações na pele são causadas por câncer de pele. Mas, diante de qualquer suspeita, converse com seu médico dermatologista. Ele vai avaliar a sua lesão e, se constatar a existência de um câncer de pele, propor o tratamento mais adequado.


Diagnóstico

De forma geral, o diagnóstico do câncer de pele envolve:

  • Exame da pele: por meio de exame clínico, seu médico vai avaliar sua pele e eventuais alterações. Em alguns casos, ele poderá recorrer à dermatoscopia, exame que permite, por meio de um aparelho, analisar camadas da pele que não são vistas a olho nu.
  • Biópsia – seu médico poderá extrair uma amostra da região suspeita da pele para a realização de exame anatomopatológico. A biópsia pode esclarecer definitivamente se você tem um câncer de pele e de qual tipo ele é.

Fatores de risco

  • Qualquer pessoa, independentemente do tom de pele, pode desenvolver um câncer de pele. Mas se você está no grupo de pessoas que têm menos pigmentação (melanina), precisa ter atenção redobrada, porque tem menos proteção contra os raios ultravioleta do sol e, portanto, risco maior de desenvolver câncer de pele.
  • No caso dos carcinomas, a exposição prolongada e repetida ao sol (exposição solar crônica) é um fator de risco importante. Por disso, pessoas que trabalham diretamente sob o sol estão em uma condição mais vulnerável.
  • Apesar de a exposição solar crônica também ser um risco para o desenvolvimento de melanoma, as queimaduras agudas repetidas, aquelas que deixam a pele vermelha, especialmente as que ocorrem na infância e na juventude, são ainda mais perigosas em relação a esse tipo de câncer. Câmaras de bronzeamento artificial também aumentam o risco de melanoma.
  • Pessoas com familiares que têm ou tiveram melanoma também podem ter risco maior. Se for o seu caso, converse com seu dermatologista sobre a necessidade de seguimento regular.

Estadiamento

Complementando o diagnóstico, em geral é importante fazer uma avaliação da extensão do comprometimento do câncer, levando em conta aspectos como tipo e tamanho do tumor e eventual existência de metástases (disseminação do câncer para outras partes do corpo). Combinados, esses fatores servirão de base para que seu médico estabeleça o melhor tratamento.

Os carcinomas geralmente não precisam de exames específicos. Bastam exames clínicos e dermatológicos detalhados.

No caso do melanoma, a primeira avaliação é feita a partir da biópsia. Seus resultados vão determinar se é preciso uma avaliação específica dos gânglios (linfonodos) próximos à área afetada ou a realização de exames de imagem.


Tratamento

Quase todos os carcinomas basocelulares e espinocelulares podem ser curados com cirurgia, que se tornou o procedimento padrão para o tratamento desses tipos de tumores. Após a cirurgia, não são necessárias outras intervenções.

No tratamento de cânceres localizados em áreas como face, pálpebra e nariz, seu médico poderá realizar um tipo especial de cirurgia, que usa o microscópio para garantir a retirada do tumor com margens de segurança do ponto de vista oncológico e mínimo dano estético.

Em alguns casos de carcinoma basocelular superficial, o tratamento pode ser feito com procedimentos ablativos, como a crioterapia, técnica baseada na queima da lesão por meio da aplicação de hidrogênio líquido.

Há, ainda, situações em que o carcinoma espinocelular não pode ser operado. Nesses casos, seu médico poderá considerar a radioterapia como uma alternativa.

O melanoma, em estágio inicial, deve ser sempre operado. Quando há comprometimento dos gânglios (linfonodos) próximos à região afetada, estes também passam a ser alvo da cirurgia. Considerando o estágio da doença e o risco de recidiva, seu médico pode considerar necessário, após a cirurgia, o tratamento com medicações imunológicas (imunoterapia) ou direcionadas para genes específicos do tumor (terapia-alvo).

Em casos avançados de qualquer tipo de câncer de pele, a imunoterapia ou a terapia-alvo vêm sendo utilizadas com bastante sucesso.


Rastreamento e prevenção

Para prevenir o câncer de pele, você pode se proteger dos raios ultravioleta e ficar atento para qualquer tipo de alteração na sua pele. Pintas ou sinais que mudam de cor, tamanho e forma; feridas que não cicatrizam; e manchas que coçam, sangram ou descamam podem ser sinais da doença. Em caso de qualquer suspeita, conte com o seu médico como seu principal aliado. A detecção precoce é o primeiro passo para um tratamento bem-sucedido.

A maioria dos tumores de pele pode ser prevenida. Por meio de medidas simples você pode, literalmente, salvar a própria pele.

  • Procure evitar a exposição solar excessiva. Os dermatologistas recomendam tomar sol antes das 10h e após as 16h.
  • Roupas que cobrem as partes do corpo mais expostas ao sol também são boas aliadas. Chapéus e óculos escuros são acessórios que também ajudam na prevenção.
  • Outra dica é usar sempre protetor solar, que tem eficiência comprovada contra os carcinomas (seu impacto em relação aos melanomas é menos evidente).
  • As câmaras de bronzeamento artificial estão proibidas no Brasil e não devem ser utilizadas sob qualquer pretexto.
  • Procure ficar atento a qualquer tipo de alteração na sua pele. Pintas ou sinais que mudam de cor, tamanho e forma; feridas que não cicatrizam; e manchas que coçam, sangram ou descamam podem ser sinais da doença. Em caso de qualquer suspeita, o melhor a fazer é agendar uma consulta com seu dermatologista. A detecção precoce é o primeiro passo para um tratamento bem-sucedido.

Novidades no tratamento

Há uma série de novas medicações já disponíveis e outras em desenvolvimento para tratamento do melanoma avançado. Algumas ativam o sistema imunológico (imunoterapia), visando potencializar o ataque contra as células tumorais. Outra frente promissora vem da família de medicações para terapia-alvo, nova forma de tratamento aplicada em pacientes cujos tumores têm determinadas características moleculares definidas geneticamente. Os medicamentos alvo-dirigidos são compostos de substâncias desenvolvidas para identificar e atacar células cancerosas, bloqueando assim o crescimento e a disseminação do melanoma.

Muito raramente os carcinomas basocelulares causam metástases ou não podem ser operados. Para esses casos mais raros, há uma nova medicação dirigida a um gene específico para reverter seu crescimento. Esse medicamento vem se mostrando também como alternativa para o carcinoma espinocelular.


Diferenciais BP

Na BP, você será cuidado por um grupo de médicos de diversas especialidades dedicados ao tratamento do câncer de pele. São dermatologistas, patologistas, cirurgiões, radioterapeutas e oncologistas, entre outros profissionais, que combinam seus conhecimentos e competências para proporcionar o melhor tratamento para o seu caso.

O diagnóstico preciso, por exemplo, é definido a partir da interação de dermatologistas e patologistas. Já o planejamento cirúrgico é desenhado a partir da colaboração desses profissionais com o cirurgião.

Além dos recursos para a realização de exames diagnósticos, contamos com avançados equipamentos de radioterapia, um trunfo importante na abordagem de casos de câncer de pele mais avançados.

As novas modalidades de tratamento também fazem parte do nosso leque de recursos. Aliás, nossos oncologistas estão entre os primeiros médicos da América Latina a realizar tratamentos de imunoterapia. Desde 2011, graças à nossa participação em programas internacionais de pesquisa clínicas, já utilizávamos medicamentos alvo-direcionados que só posteriormente seriam liberados pelos órgãos oficiais do Brasil. Com uma das maiores experiências, na América Latina, na utilização das medicações que interagem com o sistema imune, nossa instituição se tornou uma referência.

A todos esses diferenciais que permitem que você receba um tratamento individualizado, procuramos agregar mais dois elementos que nada têm a ver com tecnologias e procedimentos médicos, mas têm muito a ver com seu conforto e bem-estar: humanização e acolhimento.

← Voltar